Nas últimas semanas estivemos em família conhecendo a Alemanha, um país fantástico e onde as coisas funcionam. Pegamos o voo inicial na manhã de sábado (1/7) em Porto Alegre até São Paulo, de lá para Lisboa e depois até Hamburgo. Chegamos domingo a tarde, e logo fomos para o Hotel ao lado da Estação Central de Trem. A mana Silene, que mora em Güstrow distante 200 km, veio buscar o pai e a mãe de carro para ficarem na casa dela. Conhecemos um pouco a região da estação central a pé, mas a diferença de fuso horário de 5h mexeu conosco e fomos dormir cedo em Hamburgo.

Na segunda-feira, às 10h01 pegamos o trem até Munique. São quase 800km feitos em 5h40, parando em 9 estações. Este trem ICE é um espetáculo de atendimento e agilidade, viajando próximo a 250 km/h. Já em Munique, procuramos nosso Hotel, ao lado da Estação (Munchen Hauptbahnhof). Lá encontramos minha irmã Solange e sua família que veio dos EUA. Ficamos com eles até sexta-feira conhecendo a região, com roteiro pré-estabelecido para todos os dias. Para fazer os passeios também alugamos um carro, já reservado via internet.

Lá visitamos o Museu da BMW, Parque Olímpico, Hofbrauhaus HB (Oktoberfest o ano inteiro), Paulaner Munchen, Englischer Garten, Deutsches Museum, entre outros pontos turísticos de Munique, além de provar pratos típicos, como o joelho de porco com todos os preparos da batata. Fomos também ver um pouco de gelo no pico mais alto da Alemanha, Zugspitze, com os seus 2.962 metros de altitude, onde encontramos neve acumulada ainda do inverno passado. Só para lembrar, na Alemanha agora é verão, e pegamos até 33 graus na região de Munique. De lá aproveitamos para visitar o Castelo de Neuschwanstein, construído a partir de 1869, distante apenas 50 km do Zugspitze, porém o trajeto é feito pela Áustria, na região do Tirol, com suas lindas paisagens de campo ao pé das montanhas geladas. Na sexta-feira, logo cedo, pegamos a autoestrada A8 (123km) e fomos até a Legoland Deutschland, onde nos divertimos muito na montanha russa e outros brinquedos.

No final da tarde pegamos a A7 (150km) e fomos visitar o amigo e colega de seminário Moacir Pauli, natural da Linha Conceição, e que mora em Sechselbach – Creglingen, desde que foi fazer estágio na Alemanha. Como a propriedade fica bastante no interior ficamos com um pouco de receio de achar o lugar, porém como tudo funciona, o navegador do carro nos levou direto até sua casa. Lá encontramos itapiranguenses também em viagem pela Europa (família Melz). Pousamos por lá e conhecemos a propriedade de 35 hectares que cultiva trigo, cevada, beterraba doce e outros, além de toda estrutura usada por um período para vacas de leite.

No sábado fomos até a casa de outro colega de seminário, natural de Aparecida (Iporã) Guido Busse em Ludwigshafen am Rhein. Em Mannheim entregamos o carro alugado e com o Guido visitamos Heidelberg e seu castelo, o museu do automóvel e da tecnologia em Sinsheim, além do Palácio de Schwetzingen e seu belíssimo jardim. Foi um final de semana muito proveitoso, pois o colega nos levou para conhecer diversos lugares na região de Mannheim.

Ainda na madrugada de segunda-feira, o amigo nos deixou na estação de trem onde saímos às 5h27 para chegar às 10h09 em Berlim, apenas duas paradas em mais de 600km de viagem. Ainda na estação principal, procuramos pela locadora de veículos e pegamos o carro reservado via internet. Lá encontramos a Silene (minha irmã que mora em Güstrow) e família, além do pai e da mãe, e ficamos passeando com eles até na tarde de terça-feira. Em Berlim visitamos o muro, ou a parte que ainda está lá (Berliner Mauer), Alexsanderplatz, Catedral de Berlim, Palácio da República, Portão de Brandemburgo, Großer Tiergarten, Memorial do Holocausto e outros pontos turísticos do centro da cidade.

Seguimos viagem para Güstrow (casa da mana) e fizemos passeios por Rostock (Doberaner Platz) na quarta-feira. Na quinta participamos da formatura da mana Silene em Güstrow. Ato formal pela manhã no auditório da escola e festa para convidados a noite no restaurante de um hotel. A formatura da Silene, como Educadora, foi bem diferente das realizadas aqui. Bem mais simples e informais.

Conhecemos também a cidade de Güstrow, que abriga 28 mil habitantes, com seu palácio, igrejas e prédios muito antigos no centro. Fomos mais uma vez para Rostock, uma cidade portuária, conhecemos os pontos turísticos e a praia de Warnemünde. No último dia na Alemanha ainda fomos para Schwerin visitar mais um castelo e o belíssimo centro da cidade, prefeitura (Rathaus) e igreja centenária.

O caminho de retorno iniciou depois da meia noite de terça-feira, 18 para 19, quando fomos até Hamburgo e devolvemos o carro na locadora para depois esperar a abertura do aeroporto. O voo da TAP saiu às 6h de Hamburgo até Lisboa, trocamos de aeronave e pegamos um voo direto para Porto Alegre, este último com duração de 10h35, chegando no final da tarde de quarta-feira.

Esta foi uma viagem tranquila e com muitos ensinamentos para a vida. Em nenhum momento fomos abordados ou sentimos qualquer tipo de medo, isso que caminhamos muito pelos pontos turísticos, sempre com grande concentração de visitantes. Encontrar parte da família na Alemanha e ainda conhecer tantos lugares interessantes, realmente valeu cada centavo investido. Nos chamou muito a atenção a quantidade de obras em execução, tanto nas rodovias, já que rodamos 1.700 km de carro e 1.400 km de trem, quanto nas cidades que visitamos. Os locais históricos, principalmente os castelos, todos com áreas sendo restauradas.

Me chamou a atenção também a idade das casas, como por exemplo, a que o amigo Moacir mora foi construída em 1911 e a que a Silene mora em 1936, todas muito bem conservadas e com todo conforto para os períodos de inverno rigoroso. Outra coisa interessante é que a maioria dos locais de serviços são de autoatendimento, como nos postos de combustível, nos estacionamentos de rua e garagens, na venda de bilhetes de trem e até em lojas. Certamente a maior lição que fica é que temos muito a evoluir por aqui.